Hygge – conheça a filosofia da felicidade

6 de setembro de 2018Jessica Moraes
Blog post

Hygge, que troço é esse? Entendedores entenderão, mas nem todo mundo está familiarizado com a tendência nórdica que conquistou o mundo, inclusive os brazucas daqui. Deixa eu te apresentar: Hygge tem se traduzido como uma filosofia de vida muito difundida em países nórdicos, principalmente a Dinamarca. Considerado o país mais feliz do mundo, todos querem desvendar qual o segredo por trás desse tal hygge em terras dinamarquesas.

Origem do hygge

Embora podemos traduzir num primeiro momento como “aconchego”, a verdade é que o termo “hygge” não tem uma tradução oficial. Um pouco controverso, muitos afirmam que hygge surgiu de uma palavra norueguesa, que significa bem-estar. No entanto, ela teria “aparecido” pela primeira vez escrita em dinamarquês no século 19.

Ao longo dos anos ela foi associada ao bem estar, muito por conta dos longos invernos escandinavos e poucas horas de luz nesses períodos, que faziam com que os dinamarqueses adotarem esse estilo de vida exclusivamente dentro de suas casas.

gif hygge

Ou seja, tudo que está associado ao conforto e ao aconchego pode, de certa forma, ser “hyggelig” (adjetivo para o que é hygge). Hábitos hygge acolhem a alma e aguçam os sentidos. E é essa sensação que o Solstício quer transmitir ao leitor que por aqui passa 🙂

Não dá pra tirar a subjetividade do tema, principalmente porque não só cada pessoa tem seu jeito próprio de se acomodar e se aconchegar, como também cada cultura. Nos países nórdicos como a Dinamarca, é muito comum associar bebidas quentes como chás ou mesmo espalhar velas pela casa e ler um livro ouvindo o barulhinho da chuva perto da janela como algo hygge. Mas fazer isso no verão brasileiro, por exemplo, seria inviável. Mas nada que ouvir um sambinha de raiz tomando uma cerveja gelada na varanda de casa não possam substituir, não é mesmo?

No verão dinamarquês, por exemplo, hygge é comemorar o solstício à beira-mar. Que tal aproveitar para fazer o mesmo no início do horário de verão? Tudo pode ser adaptado!

E como se pronuncia hygge?

É normal errar a pronúncia de hygge num primeiro momento. Tanto que vi várias explicações de como pronunciar a palavra para americanos e franceses. Agora vou ensinar para vocês brasileiros:

R-I-Û-G-Â-H

O H no final é para dar um som de abafado, mas não confundir com o som da letra R. Complicado, eu sei, mas é a forma que eu consegui explicar, hehe.

5 formas de aplicar o conceito hygge no seu dia a dia

Você pode tomar um chá quentinho nesse friozinho de agosto lendo um bom livro, pode curtir um jantar à luz de velas ou cozinhar para os amigos, o importante é dar aquela pausa de respeito e reservar um tempinho só pra curtir esse momento. Eu vou dar algumas sugestões que se aplicam bem à nossa cultura brasileira e que não é nada complicado de praticar:

Pela audição

Tem muitos barulhinhos bons – como o #ASMR, por exemplo.

Mas existem outros que vêm da própria natureza. Pingos de chuva, vento soprando, trovão, canto dos pássaros. É muito bom “se desligar” uns minutos dos barulhos urbanos e sentir esse movimento natural da vida acontecendo. E só perceber esses sons. É prazeroso e também meditativo.

Pela visão

Há várias formas de curtir o clima hygge só de ver. A natureza mais uma vez tem o maior mérito: é muito bom contemplar o céu, as árvores, as flores… você também pode optar por decorar seu cantinho pessoal, criando ambientes mais acolhedores com ilustrações, almofadas, mantas, velas e plantas. A decoração age como um elemento hygge, proporcionando aquela sensação de prazer e aconchego máximo!

decoração hygge

Pelo tato

Sentir texturas. Pisar na grama ou num tapete fofo, encostar a cabeça em uma fronha macia, receber um abraço. Há tantas formas de sentir esse aconchego pelo tato, um dos meus favoritos é fazer cafuné na minha gata Marie <3

Outros meios é reservando alguns minutos pra cuidar da pele, por exemplo. Aplicar um creme, uma fragrância, sensorial e relaxante na medida certa!

Pelo paladar

Um dos favoritos de muita gente, inclusive o meu! Hehe! Mas vale lembrar que não é apenas um prato de comida quando você está morto(a) de fome ou um fast food. O ato hygge de comer está em saborear. Pode ser degustando um vinho, tomando uma sopa quentinha. Aqui o prazer está totalmente conectado e sendo apurado; a sensação também é de acolhimento e bem estar, e não o contrário: de tanto comer acabar passando mal.

saborear os pratos

Outro segredinho que apura o paladar e também a memória sentimental é comer aquela comidinha de vó ou de infância. Você pode pedir pra alguém da sua família preparar aquele prato esperto que faz anos que você não saboreia. Aí o gosto tem muito mais apreço. Comidinha com amor não tem igual!

Pra você ter uma ideia, eu pessoalmente guardo na memória sabores que desconheço o que são! Eles estão lá no cérebro adormecidos, e volta e meia eles aparecem, quando algum cheiro semelhante se apresenta no ar. Quase sempre fico sem descobrir o que é.

Mas um dia deu certo. Cismei que o doce que me vinha à memória só podia ser um mingau, porque me remetia bastante à cremosidade. Resolvi experimentar tudo que era receita de mingau. E só funcionou quando fiz o mingau de maisena. Bingo! Era esse o sabor da minha infância 🙂

Ainda sigo com o desafio de repetir tantas outras comidas que acabaram tendo valor sentimental… o feijão com vagem da merendeira da escola, a maionese de legumes da mãe do meu tio, o doce com gérmen de trigo da minha madrinha e por aí vão tantas outras recordações degustativas…

Pelo olfato

O mesmo vale para o olfato. Tenho memórias olfativas que não sei de onde vêm, mas acabam tendo um valor bastante emocional para mim.

aroma das canelas

Os cheiros muitas vezes são terapêuticos! Sentir o cheiro de terra úmida, lenha queimada, erva aromática, incenso… confesso que gosto muito e me traz uma sensação de bem estar única!

Minha dica é “saborear” o momento, contemplar cada sensação. Essa é uma dádiva que nosso corpo possui, de explorar os sentidos e acalmar os nervos, haha!

Um hobby

desenhar

Além dos sentidos, é possível explorar outras atividades. Desenhar, pintar, ou simplesmente um momento pra cuidar de si. Aqui vale frisar a importância da percepção. Na minha concepção, hygge remete ao lento, ao suave, ao simples, ao profundo. Nem tudo que dá prazer é hygge, porque não é contemplativo. Acho que isso é uma de suas principais características.

Livros

Segue uma série de livros que abordam o tema, no qual eu destaco esse logo abaixo, só pela capa que já dá uma sensação de aconchego visual, haha! Mas também porque é um dos mais conhecidos (já está na minha lista de aquisição, em breve faço a resenha para vocês)!

O Livro do Hygge, de Meik Wiking

Compre aqui >> O Livro do Hygge. O Segredo Dinamarquês para Ser Feliz.

o livro do hygge

Aqui o autor – que é fundador do The Happiness Research Institute, um órgão independente que explora a causa da felicidade em muitas sociedades para propor novas políticas públicas que melhorem a qualidade de vida a cidadãos do mundo todo – faz um breve resumo do conceito Hygge, que não se explica, mas sim se sente. Ele traz alguns exemplos para o cotidiano e claro, as receitinhas que a gente quer pra ser mais feliz.

Outras leituras:

Gostou do estilo Hygge de viver a vida? Hygge faz bem pro corpo, pra mente e pra alma! Agora é só colocar em prática e viver a vida com mais prazer e felicidade!

Comments (2)

  • Playlists no Spotify – uma para cada ocasião! – Solstício

    13 de novembro de 2018 at 14:09

    […] lá. Perfeita para ouvir em dias quentes, regados à rede, plantas e cerveja – meu momento hygge […]

  • Alê

    15 de novembro de 2018 at 12:49

    Vi essa palavra pipocando pela internet, mas nunca tinha parado para ler sobre. Já vi esse livro em destaque em lojas por aqui tb. Acho que quem enfrenta invernos longos acaba buscando esse jeito de viver, esse aconchego dentro de casa, já que você é obrigado a hibernar junto com a natureza. É aquele época de ficar mais quietinho, recolhido, se aquecendo e se reenergizando e todos esses rituais fazem parte desse processo. Adorei ler sobre o tema!

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Próximo post

mindfulness

Mindfulness - tudo o que você queria saber

11 de setembro de 2018