O Solstício de Verão

21 de dezembro de 2018Alexandre Ramos
Blog post

Hoje é dia do fenômeno que dá nome ao blog e eu, Alê Ramos, tenho a honra de escrever nesse 21 de dezembro, dia de Solstício de Verão 🙂 Contarei algumas coisas que valerão a leitura ou o seu dinheiro de volta!

Um dia a Jess chegou pra mim e disse:

– Amor, meu blog vai chamar Solstício!
– Solstício? (achando inesperado). Legal! Mas por quê?

A resposta dela eu conto no final. Saí dali decidido a saber mais curioso que sou, fui pesquisar mais a respeito. Gostei tanto do que vi e das reflexões que surgiram que combinamos de compartilhar por aqui.

Explicando de maneira simples, Solstício é um fenômeno astronômico que acontece duas vezes ao ano e marca o início do Verão (21 de dezembro) e do Inverno (21 de junho) isso no Hemisfério Sul. Já no hemisfério Norte acontece de maneira inversa.

Além do Solstício, temos o Equinócio que define a Primavera e o Outono. Ou seja, temos 4 eventos astronômicos durante o ano que marcam o início de cada estação. Especificamente hoje, dia 21 de dezembro além do início do verão é também o dia com maior claridade, o “dia mais longo” do ano. Se você quiser uma explicação mais detalhada depois veja nesse link.

Agora pare, pense e veja que coisa absolutamente extraordinária é a Criação. A Terra leva 365 dias para dar uma volta em torno do Sol e por conta da inclinação do eixo da Terra (23,5 graus) é que existem as 4 estações. Se o eixo fosse perpendicular (retinho) teríamos sempre tudo igual o ano todo, sem as variações marcantes das
estações. Eu não sei vocês, mas eu acharia muito triste não vivenciar esses ciclos, essa alternância de climas. Cada estação tem sua singularidade, beleza e importância.

solstício de verão

Na verdade podemos dizer que essa “constância inconstante” da natureza em muito de seus fenômenos são muito bem vindos e especiais. Foi por causa deles que estabelecemos nossos marcos, verão, outono, inverno, primavera, ano velho, ano novo, dia, noite, etc. Essas divisões são psico-coletivamente saudáveis para nós porque na realidade essa ideia de tempo é constante, somos nós que datamos tudo.

No fim são referências que ajudaram a humanidade de muitas maneiras e eram sempre celebradas com festas em muitas culturas antigas.

A nossa vida também é feita de ciclos, mas às vezes a gente esquece. Porém ter consciência disso nos traz tranquilidade e esperança. A modernidade, principalmente para quem mora nos grandes centros urbanos, traz cada vez mais uma dinâmica que leva as pessoas a passarem por crises, neuroses, ansiedades, culpas e outras situações
desafiadoras. Não quero propor soluções aqui e nem vender nada, apenas convido você a olhar para os ciclos da natureza, lembrando que você é parte de tudo isso e que estar mais conectado e ampliar essa consciência podem fazer muito bem. Na verdade é uma espécie de resgate, afinal de contas há milhares de anos o ser humano
se integrou a natureza de maneira tão bem sucedida que nos trouxe até aqui. Biologicamente falando somos feitos pra isso e por isso convido a desfrutar desses benefícios. Como?

Aproveitando o verão que inicia hoje, quero propor algumas sugestões para você fazer ao longo desses 4 ciclos que virão pela frente. O objetivo é desfrutar dos benefícios de estar mais perto da natureza. Propor um convite para olhar com outros olhos explorando os demais sentidos. São atividades simples, mas que muitas pessoas hoje em dia não fazem com frequência ou mesmo nunca fizeram alguma delas. Vamos ver você 🙂

VERÃO

– Ande descalço na grama sentindo o terreno. Se tiver mais alguém contigo, faz um pega-pega rapidinho pra sentir sua mobilidade descalçada;
– Tome uma chuva de verão, sinta a intensidade, fique ensopado e divirta-se;
– Desfrute pelo menos de um por do Sol, nunca é igual, são únicos assim como você;
– Aproveite um dia quente qualquer, feche os olhos por 10 minutos ao tomar sol e sinta o calor, a força do Sol que está tão distante, mas te alcança com poder;
– Tome um banho de cachoeira, sempre descalço ou de tênis, não vá de chinelos.

OUTONO

– Semeie uma planta, pode ser um girassol, pimenta, algum legume ou o que você quiser. Ajuda a entender que na natureza poucas coisas são imediatas. A vida acontece aos poucos;
– Visite um parque ou lugar que você possa se concentrar em ouvir o som dos pássaros, veja as folhas caindo, sinta o vento;
– Suba numa árvore (mas cuidado por favor);

INVERNO

– Curta o frio ao lado de uma fogueira de preferência ou lareira;
– Contemple as estrelas em alguma cidade do interior;
– Tome um chá quente de hortelã fresco;

PRIMAVERA

– Ande a cavalo, é um animal incrível. Vá mesmo que esteja com um pouco de medo;
– Visite as flores de Holambra. Sinta suas cores e cheiros;
– Suba numa montanha ou lugar alto, não vale na cidade grande 😂

Essas são atividades que fazem parte das coisas boas da vida, então faça! A vida é tão implacável, dura, aleatória, mas fascinante também. Vamos aproveitar 🙂 Vivendo o momento presente e ansiando pelo que virá sempre com esperança, fé e
amor. É certamente um bom combo a levar para nossa existência.

E pra finalizar, essa foi a resposta da Jess que fiquei devendo, ela me disse assim:

– Porque além de gostar do nome em si, ele me remete a natureza, elementos da natureza, que também me remete a simplicidade, vida simples, afetos, temas que gostaria de abordar no blog.

 

Deixo por fim uma música de um compositor que eu gosto muito, Alucinação, de Belchior:

 

Mas eu não estou interessado
Em nenhuma teoria
Em nenhuma fantasia
Nem no algo mais
Longe o profeta do terror
Que a laranja mecânica anuncia
Amar e mudar as coisas
Me interessa mais
Amar e mudar as coisas
Amar e mudar as coisas
Me interessa mais

 

Por Alexandre Ramos

Comments (4)

  • Fátima

    23 de dezembro de 2018 at 01:59

    Sensacional esse artigo sobre o solstício de verão e suas dicas na relação com as estações é fantástica, sempre me senti atraída por cada amanhecer quando as estações chegam… a vida realmente é maravilhosa e é uma pena que às vezes passamos por ela sem se aperceber da verdadeira VIDA, faz parte… c’est la vie…

  • Alê

    26 de dezembro de 2018 at 12:52

    Que post mais amor! Estou no hemisfério norte, então aqui rolou o solstício de inverno com bastante neve. Depois que me mudei pra cá tive tempo para poder observar esses ciclos da natureza que são bem marcados e senti toda essa reconexão com a natureza. Essa explicação foi ótima para deixar bem claro que não existe esse negócio de terra plana. Como tem gente que acredita nisso em pleno 2018! Feliz novo ciclo pra você e pra Jess e que sejamos luz nessa blogosfera.

  • Renata

    1 de janeiro de 2019 at 21:16

    Não teria nome melhor para esse cantinho aqui viu? Eu adoro passar por aqui para ler os posts. Nem sempre dá tempo pra comentar, mas procuro sempre manter a leitura em dia, ahahah.
    Fui conferir as dicas e das do verão já foram quase todas cumpridas, só falta o banho de cachoeira. É bom demais poder aproveitar as oportunidades que cada estação nos traz né?

    Feliz ano novo para vocês, que 2019 seja ainda mais incrível! :))
    Rivière du Souvenir

  • Hozana

    16 de fevereiro de 2019 at 08:01

    Oi Alexandre! Que interessante isso! Eu adoro estar em lugares onde as quatro estações são bem definidas. Eu moro num lugar onde eu posso vivenciar cada uma delas. É muito legal, sabe? Cada uma tem coisas muito boas para proporcionar. Seria muito chato se não houvesse essa diversidade no tempo. O nome do blog é ainda mais legal depois que descobri o significado.
    Até logo!

    Borboletra
    Instagram

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post anterior

cheiro de natal

O verdadeiro cheiro de Natal

5 de dezembro de 2018